sexta-feira, 1 de abril de 2011

À beira-mar

Por que será que tem gente que vive se metendo com o que os outros estão fazendo? (1) Pode haver coisa mais ingênua do que um menininho brincando com areia, na beira da praia? Não pode, né?

Pois estávamos nós deitados a doirar a pele para endoidar mulher, sob o sol de Copacabana(2), em decúbito ventral (não o sol, mas nós) a ler “Maravilhas da Biologia”, do coleguinha cientista Benedict Knox Ston, quando um camarada se meteu com uma criança, que brincava com a areia.

Interrompemos a leitura para ouvir a conversa. O menininho já estava com um balde desses de matéria plástica cheio de areia, quando o sujeito intrometido chegou e perguntou o que é que o menininho ia fazer com aquela areia.

O menininho fungou, o que é muito natural, pois todo menininho que vai na praia funga, e explicou pro cara (3) que ia jogar a areia num casal que estava numa barraca lá adiante. E apontou para a barraca.

Nós olhamos, assim como olhou o cara que perguntava ao menininho. Lá, na barraca distante, a gente só conseguia ver dois pares de pernas ao sol. O resto estava escondido pela sombra, por trás da barraca.

Eram dois pares, dizíamos, um de pernas femininas, o que se notava pela graça da linha, e outro masculino, o que se notava pela abundante vegetação capilar, se nos permitem o termo (4).

— Eu vou jogar a areia naquele casal por causa de que eles estão se abraçando e se beijando muito — explicou o menininho, dando outra fungada.

O intrometido sorriu complacente e veio com lição de moral.

— Não faça isso, meu filho — disse ele (e depois viemos a saber que o menino era seu vizinho de apartamento). Passou a mão pela cabeça do garotinho e prosseguiu: — deixe o casal em paz. Você ainda é pequeno e não entende dessas coisas, mas é muito feio ir jogar areia em cima dos outros.

O menininho olhou pro cara muito espantado e ainda insistiu:

— Deixa eu jogar neles.

O camarada fez menção de lhe tirar o balde da mão e foi mais incisivo:

— Não senhor. Deixe o casal namorar em paz. Não vai jogar areia não.

O menininho então deixou que ele esvaziasse o balde e disse: — Tá certo. Eu só ia jogar areia neles por causa do senhor.

— Por minha causa? — estranhou o chato (5). — Mas que casal é aquele?

— O homem eu não sei — respondeu o menininho. — Mas a mulher é a sua (6).

Por: Stanislaw Ponte Preta - (Texto extraído do livro “O melhor do Stanislaw”)

Notas: (1) Crítica amena que conduz à reflexão; (2) A marca do cronista carioca; (3) Ritmo carioca, linguagem coloquial, a norma culta não é respeitada; (4) Dialoga com o leitor como meio de agregar humor e ironia à narrativa; (5) O ridículo da coletividade à partir de um tipo individual; (6) Humor tipicamente brasileiro, parece uma piada.

Ridículas são essas notas... ka ka ka... Sérgio Porto é extraordinário!

Fonte: http://www.webwritersbrasil.com.br/detalhe.asp?numero=229

Postagens Relacionadas