sábado, 5 de novembro de 2011

Aventuras de Rosamundo

Distraído, mas distraído mesmo, era Rosamundo das Mercês, que durante certa época foi sócio de Mirinho (os dois tinham um escritório de vender apólices falsas). Aliás, o primo acabou com a sociedade porque Rosamundo era distraído demais e prejudicava o negócio.

Um dia Rosamundo combinou com uma vida-torta, com a qual ele mantinha um caso amoroso legal, que jantariam na casa dela. Quando chegou a noitinha, Rosamundo fechou o escritório e telefonou para casa.

Rosamundo telefonou pra casa e quando a mulher atendeu, foi logo dizendo: — "Hoje não vou jantar. Dê um beijo nas crianças". Em seguida desligou o telefone e ligou para a outra. No que ela disse alô, Rosamundo meteu uma voz doce e disse:

— Querida.

Ela respondeu:

— O que é?

E Rosamundo, todo derretido: — Prepara um jantarzinho bem gostoso que eu vou levar uma surpresa para você. — E como ela insistisse em saber o que era, Rosamundo foi dando logo o serviço: era um colar de pérolas legalzinho, que lhe custara 50 pacotes (o preço na hora ele não disse, mas pensou).

Daí Rosamundo desceu, pegou um táxi e se mandou para a casa da vida-torta, onde chegou meia hora depois, assoviando "Tico-tico no fubá" em ritmo de valsa.

Era distraído demais, Rosamundo. Foi entrando e abraçando a dona e colocando logo o colar no seu pescoço e pedindo um beijinho e dizendo que estava com fome e querendo saber o que tinha para comer.

Ela, encantada com o presente, agradeceu muito e perguntou se Rosamundo estava maluco. Já nem o esperava mais pra jantar. Pois se meia hora antes ele telefonara dizendo que não viria mais... e ainda mandara dar beijos nas crianças. E meio desconfiada, perguntou: — "Que crianças?"

Rosamundo nem respondeu. Caiu sentado numa poltrona, deu um tapa na testa e exclamou:

— Puxa vida... se foi pra cá que eu telefonei dizendo que não vinha jantar, então foi pra minha mulher que eu prometi levar o colar.
__________________________________________________________________________

Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto).
Fonte: O MELHOR DE STANISLAW - Crônicas Escolhidas - Seleção e organização de Valdemar Cavalcanti - Ilustrações de JAGUAR - 2.a edição - Rio - 1979 - Livraria José Olympio Editora

Postagens Relacionadas