quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

O revolucionário

Foi no dia posterior à crise. Na véspera já chegara em casa reticente, falando com meias palavras. A mulher achou-o esquisito, mas não quis entrar no assunto diante das crianças.

Foi à noite, quando foram se deitar, que perguntou, com um tom de ansiedade na voz, por que ele estava assim. O Rio explodia de boatos, contavam-se misérias, por isso a mulher já estava predisposta a ouvir o que ouviu.

Ele falou em perseguição política, na possibilidade de ser preso. Ela engoliu em seco, sem compreender: o marido nunca pertencera a qualquer partido político, como é que podia sofrer perseguições políticas?

— "É por causa do Gouvea" — o marido explicou.

O Gouvea andava metido com os comunistas, andou aceitando favores de alguns, ele ficara comprometido.

Gouvea — é preciso que se explique — era o chefe da firma onde o marido trabalhava. A mulher ficou tão chateada, que quase não dormiu.

Ele, porém, virou para o lado e disse, num bocejo:

— "Deixa isso pra lá, Jupira, se acontecer alguma coisa nós veremos". E dormiu.

No dia seguinte saiu um pouco mais cedo, com ar preocupado. A mulher despediu-se dele com um suspiro. Ali pelo meio-dia, veio o telefonema. O Coronel Pereira queria falar com ele. A mulher explicou que o marido já tinha saído; se o Coronel Pereira queria deixar o recado. O Coronel disse que passaria no escritório, com uma patrulha. Mal o Coronel desligou, ela tratou de prevenir o marido:

— "Querido — falou chorosa — um Coronel quer falar com você".

Ele falou baixinho, do outro lado da linha: — "Já fui informado. Querem me prender. Não se preocupe, querida. Ficarei uns dias fora, escondido".

Nem a mulher soube onde ele se escondeu e foi melhor assim. Se o tal Coronel telefonasse ou aparecesse pessoalmente, poderia arrancar dela o segredo.

Depois que a coisa amenizou, reapareceu em casa. Foi uma festa. As crianças pularam de contentes, a mulher deixou cair grossas lágrimas, quentes de alegria. Ninguém o tinha procurado, não é mesmo? Então, o perigo passara. Se o Gouvea, que era o Gouvea, não fora molestado, muito menos seria ele, que se comprometera apenas por causa do Gouvea.

Às perguntas sôfregas da mulher, respondeu com um pedido:

— "Não vamos falar mais nisso".

Ela concordou, mas na hora de ir dormir, ao lhe dar o clássico beijo na testa, tornou ao assunto:

— "Meu bem, onde você esteve escondido durante toda esta semana?".

Estivera na casa de um tio do Gouvea, em Jacarepaguá. Aliás, não mentia muito. A casa fora mesmo de um tio do Gouvea que a vendera ao Gouvea. Passara toda a semana lá: ele com uma loura que eu vou te contar, e o Gouvea com a maior morena. Fora uma farra e tanto. E antes de dormir pensou:

— "Puxa, se um dia ela descobre que o tal Coronel Pereira era o próprio Gouvea disfarçando a voz, eu tô roubado".
__________________________________________________________________________
Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto).
Fonte: GAROTO LINHA DURA - Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1975

Postagens Relacionadas