sábado, 13 de agosto de 2011

O fantasma útil

Um cavalheiro residente no campo, possuía na sua área um antigo mosteiro, já em ruínas, e resolveu demolir o que restava dele.

Logo surpreendeu-se com os custos da demolição e a remoção dos materiais. Astuto, ele imaginou uma estratégia para espalhar a notícia de que a casa era mal-assombrada.

Em pouco tempo todos os moradores da região começaram a acreditar no fantasma, pois o cavalheiro contratara um cidadão para atravessar correndo pelo interior das ruínas, envolvido num lençol branco, sempre que os moradores por ali passassem nas noites escuras.

Foi grande o número de pessoas que ouviram aquelas histórias e, apesar de não poderem distinguir de que se tratava, passaram a crer na mistificação imaginada pelo proprietário. O contratado divertia-se também, fazendo com enxofre e outros materiais de média combustão, a formação de lampejos de fogo e fumaça.

O plano surtiu seu efeito e o cavalheiro fantasiou ainda mais, passando a idéia de que naquelas fundações haviam antigas moedas de grande valor. Então o contratado, compreendendo a idéia do contratante, a cada saída fazia barulho com os pés parecendo estar cavando. Na verdade o cavalheiro se mostrava indiferente com relação às moedas e alguns cidadãos da aldeia não percebendo essa fingida displicência, propuseram fazer a escavação, desde que lhes entregasse parte das moedas. Ávidos e certos do sucesso, propuseram pôr a casa abaixo se ficassem com o dinheiro.

No entanto, o cavalheiro não concordou e achou a proposta injusta. Consentiria a escavação, desde que transportassem todo o material e o lixo, empilhassem os tijolos e as madeiras no pátio junto da casa, e se contentassem com a metade do dinheiro encontrado.

Eles acabaram concordando e puseram mão à obra. A primeira coisa que demoliram foram as chaminés - um trabalho árduo. Temendo que desistissem, o cavalheiro escondeu vinte e sete moedas de ouro num buraco, que fechou com tijolos. Quando encontraram o dinheiro se entusiasmaram e correram para o cavalheiro, que se mostrou generoso e deixou que todas as moedas fossem distribuídas entre eles, mas acrescentou que a partir dali as moedas encontradas seriam divididas com ele.

Portanto, esse primeiro bocado fez com que os camponeses passassem a trabalhar com redobrada dedicação. Tiveram ainda mais empenho quando descobriram vários objetos de valor, assim considerados por eles originários da primitiva condição de mosteiro. E assim, entre sonhos e a realidade, se animaram de tal forma que arrancaram do chão as raízes e cavaram nos alicerces na busca das moedas.

Para o cavalheiro estava tudo resolvido a custo reduzido. No entanto, tão forte era a convicção de que encontrariam mais dinheiro, que os aldeões continuavam a trabalhar ininterruptamente, como se as almas das velhas monjas ou frades estivessem ainda resguardando algum tesouro escondido, sem lhes permitir o repouso eterno, temendo que tantos anos depois ele pudesse ser encontrado naquelas ruínas de duzentos anos.


Daniel Defoe (1660-1731), o célebre autor de As aventuras de Robinson Crusoé foi um dos mais prolíficos escritores que se conhece, com mais de 500 títulos publicados. Entre os inúmeros gêneros que abordou (religião, política, sociologia, história, ficção, poesia) no seu jornal The Review (que ele escrevia praticamente sozinho). Defoe acreditava profundamente na reencarnação e escreveu  Contos de Fantasmas baseado em entrevistas ou relatos conhecidos. Segundo ele, os episódios aqui relacionados – com exceção dos que estão agrupados sob o título de "Falsos fantasmas" – são todos verdadeiros e, em alguns deles, ele estaria disposta a ir em juízo, levando testemunhas e provas concretas. "A aparição da senhora Veal" é um dos exemplos.

Postagens Relacionadas