sexta-feira, 23 de setembro de 2011

As orelhas dos distintos

Noutro dia uma nota policial — e nós lemos noticiário policial com a mesma freqüência com que castigamos um Marcel Proust, um Leon Nikolayevich Tolstoi, uma Pomona Politis — dizia que determinada doméstica arrancara o nariz do marido, durante uma briga.

Não faz muito tempo, uma outra nota policial dizia que certa dama, ofendida em seus brios exclusivistas, aproveitou o fato de o distinto estar dormindo para lhe arrancar uma orelha, depois o nariz, assim sucessivamente foi arrancando tudo, fazendo do corpo do cônjuge um autêntico joguinho de mal-me-quer.

A notícia, entretanto, não informa se a última coisa arrancada deu bem-me-quer. Tomara que sim.

Agora é um telegrama de Teresina, companheiros. E diz assim: "Um exemplo inédito de ferocidade feminina (isto é bom... vamos repetir: ferocidade feminina) ocorreu nesta Capital, quando Maria Divina, rústica e incontida em seus ciúmes matrimoniais, resolveu castigar de uma vez por todas o seu marido, um Don Juan perigoso".

E prossegue a nota explicando que Maria Divina, armada de uma faca, depois de violento entrevero com o esposo, cortou-lhe as orelhas, informando-o, em seguida, de que podia ir sacudir as penas noutros pombais, porque ela ia dar no pé, levando as crianças.

Ato contínuo — queiram perdoar, mas a expressão ainda é do telegrama — Maria Divina abandonou o lar, após botar as crianças debaixo de um braço e as orelhas debaixo do outro.

O desorelhado, quando socorrido num posto médico, explicou tudo isso às autoridades, que saíram atrás de Maria Divina, não somente para prendê-la, mas também para explicar a ela que não era tão Divina assim, fazendo essas coisas. O telegrama termina dizendo que os filhos do casal foram localizados na casa de uma parenta onde a desorelhadora os deixara, para ir buscar um dia destes.

Quanto à Maria Divina, fugiu (o telegrama diz escafedeu-se... mas, sabem como é, o verbo escafeder não é literariamente dos mais cheirosos e, portanto, não fica bem num livro cheio de bacanidades, como é este que ora lêem)... fugiu — dizíamos — "levando consigo as orelhas do infiel numa bolsa de feira, dizendo a todos que levava as orelhas do marido para mostrar a qualquer outro que tentasse enganá-la".

Você aí, sente o drama, vá.

O marido, lá no posto médico, com sua cabeça chata mais arredondada pouquinha coisa por falta de pavilhões auriculares, enquanto suas orelhas passeiam pelo interior do Piauí, numa bolsa de feira.

Quando adiantam à "fera de Teresina" (este apelido é uma homenagem nossa aos coleguinhas da crônica policial) as orelhas do ex-marido?

Primeiro, que não vão durar muito. Uma cabeça sem orelhas ainda vá, mas orelhas sem cabeça estragam logo. Vejam — por exemplo — as orelhas de Jeff Thomas. São bambas, moles, provavelmente estragadas, pois o dono delas não tem cabeça.

Ponderemos também que a justificativa de Maria Divina não procede. Que adianta ela exibir o seu troféu do ato matrimonial anterior, se marido, quando dá pra sem-vergonha, não respeita nem filho pequeno, quanto mais a orelha dos outros? Só se ela é puxada para o masoquismo e carrega consigo as orelhas do marido para lembrar sempre a traição e sofrer as picadas contumazes que elas costumam desferir no amor-próprio dos que se sabem traídos. Mas nem para atestado de esposa enganada elas servem.

Maria Divina não precisa documentação. Em sociedade tudo se sabe.

E, já que falamos em sociedade, Deus permita que a moda lançada por Maria Divina, em Teresina, não pegue aqui no Rio, entre as senhoras enganadas e enganadoras do "café society".

Vocês já pensaram se elas resolvessem arrancar as orelhas dos maridos traidores?

Dentro de muito pouco tempo, raro seria o grã-fino casado aqui desta Buracap que poderia usar óculos, por falta de apoio pra a armação.
__________________________________________________________________________

Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto).
Fonte: O MELHOR DE STANISLAW - Crônicas Escolhidas - Seleção e organização de Valdemar Cavalcanti - Ilustrações de JAGUAR - 2.a edição - Rio - 1979 - Livraria José Olympio Editora.

Postagens Relacionadas