sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Bronca de esquina

Tia Zulmira, cheia de experiência e transbordante de saber, não se cansa de repetir: "Bronca é a arma do otário." E é isso mesmo. Dar a bronca, até hoje não adiantou o lado de ninguém.

Mas a senhora que blasfemava, na esquina, ainda não morou nesse detalhe e espinafrava o marido, para gáudio dos circunstantes, que torciam ao derredor.

Era uma senhora assim dos seus 50 carnavais. Um pouco castigada pelas intempéries da vida, mas ainda bastante sacudida. Pelo menos, disposta a botar os rapazes da Radiopatrulha pra trabalhar. Ciumenta aos potes, era o que se podia deduzir ou o que deduziu aqui o batucador datilográfico que, incorporado à turba ignara, esperava o fim da cena pra ver o bicho que ia dar.

Foi — para sermos mais precisos — na esquina da Avenida Nossa Senhora de Copacabana com a Rua Santa Clara, quer dizer, duas artérias do tráfego com nomes de santas, mas que nem assim a dona respeitava. Pelo que ficou exposto, o senhor grisalho que ouvia a espinafração com visível mal-estar era o marido e vinha pela calçada, em sentido contrário à senhora que berrava (sua esposa), de braço dado com uma mariposa do luxo e do prazer — como tão bem classificou um certo tipo de moçoilas desajustadas o poeta urbanista Orestes Barbosa. Apanhado no flagra, soltou a mariposa e estava ali, ouvindo aquilo tudo, com platéia das mais seletas.

Para ver o porquê do ajuntamento, chegou um Cosme. Ou talvez fosse um Damião; não temos certeza. Esses guardas quando policiam sozinhos a gente nunca sabe se é um Cosme ou um Damião. O importante é que ele chegou, pigarreou e lascou em dialeto carioca:

— Qual é o "causo"?

O senhor explicou que não era nenhum, que sua mulher estava nervosa, que iria levá-la dali, etc., etc. Foi pior. Ela gritou que com ele não ia nem pro inferno. Tinha 25 anos de casada e já estava cheia das suas perfídias. Vejam vocês, casada há 25 anos e ainda tinha um ciúme daquele tamanho. Já era tempo para acostumar-se com o marido que tinha.

Aí o senhor grisalho não agüentou mais. Ia passando um lotação. Ele abriu caminho entre os curiosos e entrou na terrível condução, sem ao menos ver se era via Túnel Novo ou via Túnel Velho, o que nos deixa com a leve desconfiança de que ele queria era cair fora dali. Foi chato porque o lotação não foi em frente logo. Ainda ficaram entrando outros passageiros, do que se aproveitou a bronqueadora para também abrir caminho entre os presentes e ficar apontando pra janelinha, a dizer: "Vai... mas vai mesmo, desalmado. Não é a primeira vez que você me abandona."

O lotação meteu uma segunda e foi embora, mas ela não desistiu. Ficou procurando testemunhas para o seu infortúnio de ter um marido sempre disposto a amarrar a cabrita do lado de lá do cercado. Foi então que o rapaz ao seu lado ficou identificado como filho do casal. Até então era um rapaz consternado, assistindo à cena. Agora, ela o segurava pelo braço e espumava:

— Está vendo o cretino que você tem como pai?

Todos olharam pro rapaz. O Cosme (ou seria um Damião?) segurava o braço direito, o rapaz o braço esquerdo da mulher, mas ela não queria sair. Queria era mostrar a todos o infortúnio que a perseguia há 25 anos. Dava conselhos às moças em volta para não casarem, que os homens não prestam, que isso, que aquilo. Estava na bica para se tornar ridícula.

O filho, cansado de tentar livrá-la da curiosidade pública, deu um puxão mais forte no braço que estava sob sua responsabilidade. Isto foi o bastante para lembrá-la de que ele estava ali. Voltou-se de novo contra ele:

— Tá vendo que pai você tem? E não adianta querer me levar. Ele é que tinha de ir comigo e fugiu. Seu pai é um cretino.

O filho não agüentou mais:

— Que é que eu tenho com isso, mamãe? Quem escolheu meu pai foi você.

Gargalhada geral. Até o Cosme (ou talvez Damião) riu.

A velha calou a boca e foi andando. O filho, atrás, aliviado.
__________________________________________________________________________

Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto).
Fonte: O MELHOR DE STANISLAW - Crônicas Escolhidas - Seleção e organização de Valdemar Cavalcanti - Ilustrações de JAGUAR - 2.a edição - Rio - 1979 - Livraria José Olympio Editora.

Postagens Relacionadas