quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Marido e cachorro

Deu-se o caso numa lanchonete (sinal dos tempos: botequim antigamente era botequim, agora continua botequim, mas chamam de lanchonete). As duas jovens senhoras, belas e de calças compridas, deviam estar fazendo compras e deu sede. Foi aí que entraram na tal lanchonete. Sentaram naqueles incômodos tamboretes e pediram um refresco.

O garçom — muito solícito — explicou que tinha de laranja, de limão, de uva... enfim, refresco às pampas. Uma escolheu de maracujá e a outra simplificou ainda mais: quis laranjada. O garçom afastou-se para buscar o pedido, os canudinhos, pratinho de biscoitos, etc.

As distintas, enquanto esperavam, começaram a conversar e foi aí que uma perguntou para a outra:

— Como é que vai seu cachorrinho? Continua doente?

— Agora está melhor — informou a outra.

— Como é mesmo o nome dele?

— Joãozinho!

Era um nome esquisito, para cachorro, mas vocês sabem como é grã-fina, inventa cada besteira!!! E foi justamente quando elas começaram a falar sobre Joãozinho que o garçom estava de volta, com os refrescos. Colocou os copos defronte delas e começou a enxugar o balcão do bar, distraidamente.

— Meu marido detesta — dizia a que perguntara pelo cachorrinho da outra. E a outra:

— Joãozinho é um amor. Ultimamente ele tem dormido no meu quarto, ao pé da cama.

O garçom arregalou os olhos. Será que o coitado do marido daquela mulher dormia ao pé da cama? Ficou escutando, incrédulo.

— Tadinho, passa a noite inteira gemendo.

O garçom já ia dizer "pudera", mas conteve-se. Não tinha nada com isso. Apanhou uns copos da prateleira e começou a lavar.

— Ele não se sente muito preso no apartamento, não? — perguntou a que não tinha cachorrinho, dando uma chupadinha no canudo do refresco.

— Sente-se, sim. De noite eu sempre saio um pouquinho com ele.

— Isso é bom.

— É sim... distrai o coitadinho.

As duas mulheres pararam um pouco de falar enquanto tomavam o refresco. O garçom continuou examinando aquelas estranhas mulheres que, de colher de chá pro marido, davam só uma voltinha de noite e, provavelmente, deixavam os infelizes em casa e iam badalar. Cretinas — pensou o garçom.

A dona de Joãozinho terminou o refresco e falou:

— Estou desconfiada de que Joãozinho está com pulgas. 

— Que horror — exclamou a outra, também terminando o seu refresco.

— Quanto é? — ela perguntou ao garçom.

Este ficou meio sobre o parvo e ela tornou a perguntar:

— Quanto é?

— 150 cruzeiros — respondeu o garçom, como que acordando.

Uma das senhoras abriu a bolsa, tirou uma carteira recheada de notas e colocou sobre o balcão a importância exata. Não deixou nem um tostão de gorjeta, a miserável. O garçom sentiu que precisava ir à forra.

E quando elas se preparavam para sair, recolheu os 150 cruzeiros e disse para a dona de Joãozinho:

— Diga ao seu marido que, para ele acabar com as pulgas, deve tomar banho.
__________________________________________________________________________

Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto).
Fonte: GAROTO LINHA DURA - Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1975

Postagens Relacionadas