terça-feira, 11 de setembro de 2012

Seguros de amor

Diz que em Londres surgiu um camarada que está revolucionando os processos usados pelos seguradores para defender os interesses dos segurados. Trata-se de um inglês (porque os ingleses, ainda que possa parecer incrível, são muito encontradiços em Londres) chamado Arthur Harrison.

Namorados e noivos londrinos, temerosos de perderem o amor das suas amadas, estão apelando para apólices de seguro contra romances desfeitos.

Se as levianas moçoilas, que se dizem suas, se apaixonarem por um pilantra qualquer no Continente, ao sair da ilha para passear pelo resto da Europa, o desprezado tem, como consolo, uma indenização de mil libras que, trocadas em miúdos, dão mais ou menos umas 450 abóboras maduras.

Diz que Mister Harrison tem feito bom negócio e até tabelou o seguro de amor, pagando um preço mais alto pelas noivas e namoradas que vão sozinhas à Itália, à França e demais países latinos porque, conforme vocês sabem, nós — latinos — não é por estarmos nas nossas presenças não... mas nós latinos somos fogo.

Os ingleses fazem tal seguro, não sabemos se com o conhecimento da noiva ou namorada e, se assim for, é um caso mais lamentável ainda. Nossas amadas têm todo o direito de nos trair, mais por vingança, é claro, ao saberem que nós estamos transacionando com o seu sentimento de fidelidade. Mas os londrinos são londrinos, entendem? Ou não entendem, o que é melhor para vocês.

Quanto vale o amor de sua amada, você aí, companheiro? Vale os 450 contos que paga o Mister Harrison? Como? O amor de sua amada não tem preço? Muito bem respondido, irmão. Vá sentar. Levou um 10 em amorologia. É isto mesmo, não há apólice que pague o amor de nossa amada, nem vai ser um monte de dinheiro que secará nossas lágrimas, ao ver partir com outro a nossa "segurada".

Diz muito mal dos noivos e namorados londrinos o êxito de Mister Harrison. Nós aqui — e acreditamos que vocês também, não é rapaziada? — se fizéssemos um seguro desses, mesmo por brincadeira, haveríamos de receber o dinheiro desconsolados. Nós somos assim. Quando Mister Harrison nos trouxesse o dinheiro, compraríamos um lindo presente e mandaríamos para ela com gosto amargo de "nunca mais" na boca.

Mas, cada um tem sua maneira de pensar. Perguntamos a Primo Altamirando:

— Se você recebesse o seguro pela infidelidade de sua amada, comprava um presente para ela?

— Não — respondeu o abominável parente — comprava era uma lambreta para mim.

__________________________________________________________________________
Fonte: Tia Zulmira e Eu  - Stanislaw Ponte Preta - 6.ª edição - Ilustrado por Jaguar - EDITORA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA S.A.

Postagens Relacionadas