segunda-feira, 13 de maio de 2013

Benefícios da lichia

A lichia, com a sua polpa suculenta e bem doce, começa a ganhar adeptos no Brasil. E além do sabor delicioso, os benefícios são inúmeros! Ela tem boa quantidade de vitamina C, potássio, cálcio, fósforo e magnésio, importantes vitaminas e minerais para garantir o bom funcionamento do organismo. E para quem fica de olho nas calorias, outra boa notícia, porque ela é pouco calórica: cerca de 100g possuem 64 calorias.

Ela ainda contém substâncias fenólicas, recebendo destaque as antocianinas, que trazem ao organismo grande proteção antioxidante contra doenças inflamatórias, câncer e envelhecimento precoce. "A lichia é fonte de substâncias antioxidantes como as antocianinas, dentre elas a cianidina, que está sendo estudada por ajudar na perda de gordura, e os flavonoides", explica a nutricionista Gabriela Soares Maia.

O que chama a atenção é que ela tem boa quantidade de vitamina C e com apenas 6 frutinhas a recomendação diária já é atendida. É uma vitamina extremamente importante porque ajuda na defesa antioxidante do organismo, na manutenção de um bom sistema imunológico, na cicatrização de feridas e aumenta a absorção do ferro. As vitaminas do complexo B (tiamina, riboflavina e niacina) também estão presentes na fruta e garantem disposição na medida certa.

"Já em relação aos minerais, é possível destacar o potássio, que tem função essencial no sistema renal, na manutenção dos fluidos orgânicos, na contração e relaxamento dos músculos. E a lichia ainda contém cálcio e fósforo, minerais importantes para a saúde óssea. Além disso, o cálcio é importante para a contração muscular e o fósforo para a formação do DNA. Ainda contém magnésio, que faz parte de mais de 300 enzimas que realizam as mais diversas funções metabólicas. E o melhor de tudo é que a lichia é uma delícia, aproveite", aconselha Gabriela.

A nutricionista citou um estudo feito no Japão pela Universidade de Hokkaido, no qual os voluntários receberam extrato de lichia e depois de 10 semanas tiveram uma redução de 15% de gordura. Os pesquisadores deram todo o crédito a uma substância chamada de cianidina, uma antocianina (substância fenólica) que está presente na casca, dando a cor avermelhada, e em menor quantidade na polpa, mas tudo são apenas suspeitas e merecem mais estudos. "E sempre é bom lembrar que perda e manutenção de peso é a união de alimentação saudável e atividade física, mas com certeza a lichia pode fazer parte desse processo como um todo", diz ela.

Por ser rica em potássio, ela deve ser consumida com moderação por pessoas com disfunções renais, isso porque portadores de doença renal crônica têm redução na capacidade de eliminação de potássio. A nutricionista explica que, nesses casos, a falta ou o excesso podem levar a problemas cardíacos, podendo alterar o ritmo dos batimentos. "Por isso, dizer uma quantidade a ser consumida é difícil porque depende do grau da insuficiência renal, e o consumo de lichia deve ser balanceado com outros alimentos também ricos em potássio, para que dentro desse conjunto se chegue a uma quantidade ideal. Recomendo à pessoa procurar seu nutricionista ou médico", finaliza Gabriela.

____________________________________________________
Fonte: Idmed

Postagens Relacionadas