segunda-feira, 7 de maio de 2012

O seguro do velho

Vocês que nos lêem sabem que em sociedade tudo se sabe. Não adianta o Medeiros Neto usar batina de padre, o Ibrahim Sued usar caneta-tinteiro, o Augusto Schmidt escrever livro de poesia, o Tenório sorrir com cara de bonzinho, nada disso adianta, porque em sociedade tudo se sabe.

Por exemplo, aqui está a notícia do que ocorreu em São Paulo com o cidadão de origem italiana Cario Magliani cujo, coitado, pensou que pudesse falcatruar impunemente e imaginou um golpe dos mais legais. Cario Magliani tinha um tio que também era Cario Magliani, mas que estava pela bola 7. Homem já velho, o Cario tio vinha sofrendo de diversos males, inclusive cardíacos.

Que fez Cario Magliani sobrinho, que era forte como um touro? Pois fez um seguro de vida de alguns milhões, colocando como beneficiário — em caso de morte — o tio em pandarecos. Isto — pensarão vocês — não tem nada demais. Mas pensarão vocês que são apressados. Cario Magliani pensou de outro jeito.

Mancomunado — segundo se suspeita — com um empregado da companhia de seguros, aproveitou o fato de seu nome e o nome do tio serem iguais, para rasurar o contrato de seguro, invertendo a coisa. Isto é, ele, que é forte e saudável, passou a ser beneficiário do tio, que estava com o pé na cova, só aguardando um empurrão amigo.

Foi um golpe fácil. Bastou mudar as datas de nascimento porque, no mais, ambos os Carlos eram naturais de São Paulo, eram residentes no mesmo local, tinham a mesma profissão, enfim, estava tudo facilitado.

Mas (aí é que está o chato), em sociedade tudo se sabe. Agentes da companhia de seguros descobriram a marmelada e estão processando o rapaz, coisa que chegou ao conhecimento do tio. E este, coitado, que era cardíaco e castigado pelo tempo, não resistindo ao vexame do sobrinho que criava, faleceu em dia da semana passada, em sua residência.

Aparentemente, esta história não tem nada demais. Vigaristas há em toda parte, tentando os mais complicados golpes.

Ledo engano, companheiro, ledo engano. Aqui a notícia diz que o velho morreu abalado com o seguro que o sobrinho fez.

Eis portanto que, pela primeira vez na História, em vez do seguro morrer de velho, foi o velho que morreu do seguro.

__________________________________________________________________________
Fonte: Tia Zulmira e Eu  - Stanislaw Ponte Preta - 6.ª edição - Ilustrado por Jaguar - EDITORA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA S.A.

Postagens Relacionadas