terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Flagrante n.°1

Um flagrantezinho carioca. De vez em quando é bom. Foi ali no Bar Shirley, em Copacabana (esquina de Siqueira Campos com a Praça Serzedelo Correia). Lá dentro, pendurada na parede, uma fotografia comovente de Shirley Temple aos 8 ou 9 anos, quando era uma das artistas mais famosas do mundo.

O bar Shirley tem um feijão legal que alimenta mais o proletariado do que todos os pelegos juntos, do antigo e do atual Governo: que este, apesar da banca que bota, também tem pelego.

Mas vamos ao flagrantezinho carioca. O crioulo entrou no Bar Shirley, chegou perto do balcão e, mostrando-se crioulo extravagante, berrou:

— Bota um limão.

Antigamente, quem botava limão era limoeiro, mas a plebe ignara tem preguiça de falar e vai diminuindo o nome de tudo.

Batida-de-limão agora pede-se assim:

— Bota um limão aí.

Puseram e o crioulo começou a beber. Largou umas gotinhas pro santo e vapt... virou a cachaça.

Foi aí que passou a mulatinha na rua. Era dessas de andar raçudo, muito bem encadernada e ia pisando legal; calando conversa.

O crioulo saiu do bar e ficou espiando a coisinha fofa até a mulata dobrar lá na Avenida Atlântica. Suspirou, voltou para junto do balcão e falou:

— Deus faz, a natureza "creia" e eu "apreceio". Me bota aí outro limão.
__________________________________________________________________________

Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto).
Fonte: GAROTO LINHA DURA - Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1975

Postagens Relacionadas