terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

O caso do tatu

Era um tatu. Nada mais que um tatu, bichinho que rivaliza com a Prefeitura na arte de esburacar. Um tatu — segundo a ciência — é nome comum a diversas espécies de mamíferos da família dos Dasipodídeos — mas este de que falamos, embora dasipodídeo, não tinha família.

Fora adotado pelo cavalheiro de calça cinzenta e unhas idem, cara de debilóide e camisa de meia, com as tradicionais cores do Flamengo. Aliás, diga-se a bem da verdade, não podíamos saber se ele era torcedor dos rubro-negros. O fato de envergar a camisa do Flamengo não quer dizer que o camarada seja rubro-negro, conforme cansou de provar o beque Tomires, em furadas comprometedoras para o clube da Gávea, quando era titular do time.

Mas — dizíamos — era um tatu. O dono do tatu usava-o para chamar a atenção sobre si mesmo. Assim como Luz Del Fuego usa cobra, Barreto Pinto usa cueca e Salvador Dali usa bigode, o camarada usava o tatu para se fazer notado.

Aos poucos foi chegando gente. Primeiro um garoto com uniforme de estafeta. Parou e perguntou que bicho era. Era tatu... Depois uma mulata gorda, que vinha em companhia de uma branquinha (mais de inanição que de raça). As duas pararam também e ficaram olhando o tatu. Só o tatu é que não dava bola pra ninguém. Talvez não fosse um tatu-bola. O grupo, pouco depois, já era bem seleto.

Havia mais dois estafetas, um sujeito com pinta de contínuo de escritório, diversas senhoras de variadas camadas sociais, dois ou três senhores de pasta, outros tantos sem pasta, uma mulatinha que fazia quase tanto sucesso quanto o tatu (dadas as suas harmoniosas linhas) e mais gente de somenos.

O tatu fuçava a calçada um pouco humilhado, talvez por perceber que calçada não é coisa que tatu possa esburacar. A Prefeitura tem exclusividade. Ia e vinha num raio de dois metros e tanto, restringido pela cordinha que o camarada de camisa do Flamengo prendera no seu rabo.

— Que bicho é este? — perguntou a mulata que fazia sucesso.

Cinco ou seis que estavam de olho nela responderam pressurosos:

— Tatu.

Ela fez um "ahhh" de espanto e coqueteria que lhe ficou muito bem. Um moleque tentou cotucar o tatu com a ponta de uma vara. O dono estrilou. Não seria um estrilo convicto se não recebesse a adesão da mulata gorda que se fazia acompanhar da branquinha esquelética.

— Falta de religião. Cotucar o tatu.

Alguns aprovaram. Outros resolveram ficar contra o dono. Por que um tatu na esquina da Avenida Rio Branco com Visconde de Inhaúma? O bichinho podia morrer. Quem sabe não comia há horas? As hipóteses cresciam, enquanto crescia o movimento pró-tatu. Quando maior era o grupo, mais numeroso o contingente de curiosos, o dono do tatu puxou-o pela cordinha, agarrou-o e o colocou dentro de uma gaiola. O tatu não se chateou; ao contrário da mulata gorda, líder tatuísta no local.

Sem dar atenção a ela o dono do tatu armou uma mesinha precária na calçada, colocou sobre ela estranhos vidrinhos e diversos pedacinhos de uma coisa indefinida e que depois ficou esclarecido que eram calos. Pigarreou e meteu lá:

— Senhoras e senhores, nenhum de nós está livre de possuir um calo. É por isso que eu lhes apresento este maravilhoso preparado que é o maior inimigo das calosidades, mesmo as mais renitentes.

O grupo foi se desfazendo, o dono do tatu ficou falando sozinho. O senhor de pasta que saiu caminhando à nossa frente ia meio capengando. Devia ter calo e, no entanto, perdera a excelente oportunidade de comprar o "maravilhoso preparado que é o maior inimigo das calosidades".

__________________________________________________________________________ Fonte: Tia Zulmira e Eu - Stanislaw Ponte Preta - 6.ª edição - Ilustrado por Jaguar - EDITORA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA S.A.

Postagens Relacionadas