sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Pediatras contra os andadores


Uma espécie de mesa com rodinhas que comporta em seu centro um banquinho infantil, com dois espaços para colocar um par de pernas pequeninas. Os rechonchudos pés tocam o chão e o corpo da criança fica praticamente de pé. Por meio dos andadores, muitos bebês já deram os seus primeiros passos, mas também já sofreram acidentes. Neste mês de janeiro, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) começa a divulgar uma campanha contra os andadores. Isso porque o equipamento seria responsável por diversos casos de acidentes domésticos, inclusive fatais.

O maior problema do andador é a liberdade que ele proporciona e a falsa sensação de segurança que passa. Os pais olham a criança totalmente apoiada pelo suporte do utensílio e pensam que podem diminuir as atenções. A falta de supervisão aliada à facilidade de movimentação proporciona a ocorrência de acidentes, como quedas, choques e ingestões de produtos inadequados.

Como o andador tem rodinhas, a movimentação fica muito mais ágil. Alcançar uma tomada ou um produto armazenado em baixas alturas fica fácil, caminhar pela casa também. No entanto, qualquer brinquedo ou outro objeto pelo caminho pode ocasionar tombos. Além disso, degraus, escadas e desníveis também podem resultar em acidentes. E está nesse fato a maior crítica, pois quedas desse tipo podem ser graves, até mesmo fatais.

"Além de perigoso, o andador não traz qualquer benefício para o desenvolvimento da criança", é o que afirma o pediatra membro do Departamento Científico de Segurança da Criança e do Adolescente da SBP e professor na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Danilo Blank. Segundo o médico, o andador é arriscado e requer supervisão total durante o uso. Além disso, não auxilia na aprendizagem do caminhar, pois não proporciona um andar real. Afinal, os pés da criança não ficam totalmente apoiados no chão e o esforço que ela faz para se locomover é bastante inferior ao que seria necessário sem o uso do equipamento.

Segundo o médico, o objetivo da campanha da SBP é banir o uso do objeto, assim como já ocorre no Canadá. Por enquanto, o foco está em orientar pediatras e solicitar que eles enviem informações sobre acidentes provocados por andadores. A entidade está, no entanto, organizando outras ações em parceria com instituições parceiras.

Negligência é a principal causa dos acidentes

Não é o andador que causa os acidentes, mas a negligência dos pais, que deveriam sempre estar atentos às atividades dos bebês. Entre 2008 e 2010, a professora do curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Paula Silva de Carvalho Castro participou de um projeto que estudou a influência dos andadores no desenvolvimento da marcha dos bebês.

Desenvolvida pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a pesquisa foi o objeto de análise da professora durante o seu curso de doutorado em Ciência da Reabilitação. Entre 2008 e 2010, foram acompanhadas 40 crianças durante nove meses, 20 que utilizavam o equipamento durante uma hora diária e outros 20 que não o usavam. A conclusão foi que os andadores não influenciaram no processo da aprendizagem do caminhar. O desenvolvimento dos pequenos foi uniforme, independentemente do uso do andador.

Segundo a médica, constatou-se que o objeto não é perigoso se for utilizado sob supervisão e durante pouco tempo. O problema ocorre quando o andador vira a única companhia da criança, ainda mais se isso ocorrer durante horas. Para Paula, o equipamento não deve ser pensado como recurso para aprendizagem ou para distrair os pequenos enquanto os pais estão ocupados, mas apenas como um brinquedo.

Andadores de empurrar podem ser opção

Segundo a terapeuta ocupacional especializada em desenvolvimento infantil Teresa Rusas, o andador tipo empurrador pode ser um estímulo para o desenvolvimento da caminhada. Diferentemente dos modelos tradicionais, esse objeto é empurrado pela criança como se fosse uma espécie de carrinho de supermercado.

A professora da Faculdade de Medicina do ABC e do curso de especialização em neurologia infantil da Unicamp aponta que esse modelo de andador é recomendado para maiores de um ano, pois crianças dessa idade já conseguem firmar alguns passos. No entanto, a supervisão se faz necessária, assim como qualquer atividade prática exercida por bebês.

De acordo com Teresa, é importante que os pais não restrinjam o estímulo somente pelo uso do empurrador. O primeiro passo é incentivar os bebês a ficarem em pé e se levantarem sozinhos. Isso propicia o desenvolvimento do equilíbrio e o fortalecimento das articulações. Depois, os responsáveis podem ajudá-los a andar segurando-os pelos braços, assim como colocar um brinquedo um pouco longe e chamar a criança para buscá-lo. É necessário observar que o local não deve conter cantos pontiagudos, pois pequenos tombos são normais nessa fase. Além disso, deve-se evitar o uso de sapatos que derrapem com facilidade e priorizar o caminhar descalço, pois a pele proporciona maior aderência e o contato direto com o ambiente faz o pequeno se sentir mais seguro.

Os pais também não podem pressionar os bebês, pois as crianças se desenvolvem de formas diferentes. Portanto, não há porque se preocupar se o filho do vizinho aprendeu a andar antes. Em geral, esse processo ocorre entre os dez e 18 meses. Somente se esse prazo for ultrapassado, é recomendada a visita a um pediatra.

____________________________________________________________
Fonte: Cartola - Agência de Conteúdo / Terra

Postagens Relacionadas