terça-feira, 12 de março de 2013

Mulher de borracha

Quem nos informa a novidade é a Agência Ansa — nossa subsidiária no interior — em telegrama vindo de Nova Iorque. Diz que o "Collector's Ex-changing Bulletin", revista que circula muito entre os que têm mania de fazer coleções, seja coleção de caixa de fósforos, moedas antigas ou retrato de mulher... de mulher... como diremos?... de mulher à vontade, vem de publicar um anúncio (a sério) que fez muito sucesso e está surtindo efeito surpreendente.

Sim, porque, assim como o "Collector's Ex-changing Bulletin" publicou a coisa a sério, os leitores também leram o anúncio com muitaseriedade e muitos deles tomaram providências para adquirir o artigo anunciado.

Como, minha senhora? Que é que está no anúncio?

Pois não, era justamente o que íamos contar agora. A senhora endireita aí esse decote, que isto já não é mais decote, é deboche, e preste atenção. O anúncio diz assim: "Para homens solitários, tímidos e incapazes de escolher uma companheira ou de abordar na rua uma jovem qualquer, esta é uma grande novidade. Queiram enviar 2,50 dólares pelo reembolso postal que, dentro de poucos dias, receberão em sua casa uma mulher de borracha, de dimensões normais, macia e perfeitamente inquebrável."

Como, madame? A senhora não gostou do anúncio?

Nós também não, porque não somos da equipe dos tímidos e — modéstia à parte — se for preciso meter o ronco pra cima de "uma jovem qualquer" (conforme está no anúncio), a senhora pode ficar certa que a distinta será devidamente roncada. Mas houve quem se interessasse, pois a notícia explica que houve. Tem muita gente que prefere uma mulher inquebrável a — por exemplo — uma mulher inquebrantável.

Depois, madame, observe a malícia do anunciante. Diz que é de borracha macia. Convenhamos que mulher macia é mais do gosto da maioria do que mulher encaroçada. E — sendo de borracha — talvez possa ser esquentada em banho-maria. Ou talvez fique cálida empregando-se o tradicional método usado para o chamado saco quente. Estas considerações devem ter sido tomadas em conta pelos que responderam prontamente ao anúncio, fazendo centenas de encomendas.

De todas as vantagens propaladas, aliás, nós só não fazemos fé naquela que diz que a mulher é "de dimensões normais". A senhora sabe como é? Isto de tamanho varia muito. Que o digam as casas de modas que fabricam vestidos de meia confecção. E há o gosto pessoal também.

É, madame, a mulher de borracha para os tímidos é um bom negócio para o comprador e um grande negócio para o fabricante.

E a senhora pode ficar certa de uma coisa: esta humanidade anda tão torta, que é bem capaz de um camarada com mulher de borracha em casa se apaixonar pela mulher de borracha do vizinho.

__________________________________________________________________________
Fonte: Tia Zulmira e Eu - Stanislaw Ponte Preta - 6.ª edição - Ilustrado por Jaguar - EDITORA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA S.A.

Postagens Relacionadas