quinta-feira, 25 de abril de 2013

A dactilógrafa


Amigo nosso, que sofre de sinceridade alcoólica, depois do terceiro contou aqui pra este pobre escravo do padrão ouro, que batuca esta intimorata Remington semiportátil enquanto o sol lá fora assovia coió pra gente, o que aconteceu no seu escritório, esta semana. E contou sem o menor remorso.

Deu-se que sua secretária, senhora respeitabilíssima, que era sua auxiliar direta há muitos anos, cometeu a temeridade de casar e largar o emprego, no momento em que a maioria das mulheres está largando o marido pra arranjar emprego. Mas a secretária quis, disse que ia e não houve jeito. Ou melhor, o jeito foi botar um anúncio no jornal, na base do "precisa-se de secretária".

Diz o amigo que essa coisa de existir muita gente procurando emprego é bafo de boca, porque somente depois do quinto dia é que apareceram duas candidatas. Apareceram quase ao mesmo tempo, explicaram por que vinham e ficaram sentadinhas na sala de espera, aguardando a vez.

Diz ainda o amigo que, lá de dentro, sem ser visto, ele examinou bem as duas, principalmente a segunda. A primeira, segundo sua descrição, era dessas magras e de óculos, que sofrem de utilidade, sabem fazer tudo, têm pele ruim e cara de quem nunca tirou menos de 10 no colégio. Pela pinta, segundo sua própria expressão, era uma mulher invicta.

A segunda... Bem, a segunda tinha aquela cor de pele que a gente mandaria pintar no carro, se assim pudesse ser feito. Tinha olhar 45, corpo que é a forma universal e aquele ar inocente das que nunca foram inocentes.

A primeira era estenógrafa, arquivista, falava inglês, francês e espanhol. Era dactilógrafa, taquígrafa e tinha cursos de um modo geral. Mas ele não quis saber nada disso. Quando ela entrou na sala limitou-se a dizer que a vaga — infelizmente — já estava preenchida.

Então, depois que a bruxa foi embora, mandou entrar a certinha que, num bambolear ameno e compassado, entrou, sentou numa cadeira próxima e deixou um joelho de fora, ao cruzar as pernas. Ele pigarreou e explicou que a vaga era dela.

A moça agradeceu muito e foi obrigada a confessar que aquele era o seu primeiro emprego, que não tinha experiência nenhuma. E, ante a decisão dele, murmurou aveludadamente que só batia a máquina de escrever com dois dedos. Mesmo assim ficou no emprego.

Quando terminou de contar, perguntamos o que dissera, quando a boa confessou que só batia a máquina com dois dedos.

— Eu perguntei pra ela assim: Pra que tanto dedo, minha filha? E fomos tomar um lanche.

__________________________________________________________________________ 
Fonte: Tia Zulmira e Eu - Stanislaw Ponte Preta - 6.ª edição - Ilustrado por Jaguar - EDITORA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA S.A.

Postagens Relacionadas